Considerações sobre a Consciência Negra no Brasil

0
Considerações sobre a Consciência Negra no Brasil

A palavra “consciência” remete à uma reflexão individualizada ou coletiva sobre um determinado fato, uma condição ou uma realidade. É senso mais ou menos generalizado também que consciência implica no uso da razão, por mais simples que seja a sua manifestação, em busca de um entendimento lógico (consensual ou não), sobre o universo que nos cerca e no qual vivemos.

A partir de nossas razões construímos as nossas convicções pessoais e, baseados nelas, buscamos interagir em família, na sociedade e com o mundo. O Brasil, enquanto estado federativo independente dos tempos modernos, carrega em si um profundo conflito de identidade: tem a evidência do “sangue” e da “pele” de traços marcadamente africanos, mas estranhamente não tem uma “consciência preta” auto identificadora, se considerarmos o padrão vicioso com que o establishment hegemônico subestima a sua população preta (e a própria nativa da terra), desde 1530.

Ao longo de nossa História, tem sido árdua a luta de nossa ancestralidade e contemporâneos por esse território:

Primeiro a busca da nossa afirmação como pessoa, rejeitando o rótulo de “mercadoria”. Nunca fomos “escravos” (o processo escravocrata brasileiro foi pontuado por fugas, rebeliões e levantes).

Somos descendentes de SERES HUMANOS que foram forçosamente subjugados e confinados à abjeta condição de pessoas escravizadas.

Em seguida, a luta pela afirmação de nossa brasilidade e o nosso direito civil e constitucional de usufruto de uma cidadania de primeira classe, confrontando, portanto, a tentativa da classe hegemônica em nos transformar em um “gueto” secundário dentro de “um país”.

Depois, robustecendo a assertividade sobre a nossa herança cultural e o nosso legado histórico, repelindo as tentativas da dita narrativa oficial em fazer da África e da dinâmica do que foi a Diáspora Africana apenas uma passagem alegórica dos livros de História.

Por outro lado, nós, descendentes transatlânticos da Terra Mãe, precisamos cada vez mais aprofundar e disseminar o nosso conhecimento sobre a nossa própria relevância e protagonismo no concerto das civilizações humanas, para que cada vez mais tenhamos a nosso lugar de fala e o nosso destino em nossas próprias mãos.

Afinal, cada Pessoa Preta é uma Embaixada humana de sua própria ancestralidade.

A era digital indica e recomenda que foco, planejamento, disciplina, autoestima, livre iniciativa e empreendedorismo são algumas das premissas legítimas, positivas e saudáveis para que nós, afrodescendentes, consolidemos com êxito o estabelecimento de uma Consciência Preta ascendente e progressista, de norte a sul e de leste a oeste deste país.

Não seria ousado pressupor que, após os Estados Unidos nos anos 60, 70 e 80 e a África do Sul nos anos 90, o Brasil será a próxima nação com expressiva população Preta a sofrer um grande e profundo questionamento sobre a sua verdadeira identidade, enquanto povo e país.

Os dados demográficos anuais do IBGE atestam uma verdade contundente em nosso processo civilizatório:

Sem uma “Consciência Negra”, o Brasil deixa de existir como País, Estado, Pátria e Nação.

Gratidão, Dandara! Obrigado, Zumbi dos Palmares!

Salve o dia 20 de Novembro e que ele dure 365 dias, todos os anos!

Participe de nosso grupo no Telegram

Receba notícias quentinhas do site pelo nosso Telegram, clique no
botão abaixo para acessar as novidades.

Comments

No posts to display