Cabelo liso é o mais visto na TV para oito em cada 10 pessoas

2321
1194

collagecrespoliso

Por Sabrinah Giampá*
Embora a maioria das mulheres brasileiras tenha os cabelos cacheados e crespos, a falta de referências midiáticas ainda é gritante. De acordo com uma pesquisa do Data Popular para o Instituto Patrícia Galvão, 83% dos entrevistados enxergam mais mulheres com cabelos lisos nas propagandas de TV.  A pesquisa foi feita  com 1.500 pessoas (homens e mulheres) de 100 municípios do país.
Entretanto, essas pessoas gostariam que as propagandas tivessem mais mulheres com cabelos crespos e cacheados. Vale ressaltar que a população enxerga que na vida real, a maioria das mulheres tem cabelo liso. Acredito que isso aconteça devido à quantidade de mulheres que utilizam de artifícios para esticar os fios, seja chapinha, escova progressiva, ou outros métodos.  É raro encontrar uma cacheada ou crespa assumida na rua, e quando eu acho, geralmente no metrô, é uma agulha no palheiro.
O mesmo acontece em relação às mulheres negras. 80% dos entrevistados afirmam que as mulheres brancas são maioria nas propagandas de TV, entretanto, cinco em cada 10 gostariam de ver mais mulheres negras nos anúncios televisivos. Resumindo: as propagandas não nos representam, ou melhor, não representam a realidade do país. De acordo com a última Pesquisa Nacional de Domicílios, do IBGE, 51% da população brasileira se declara negra ou parda.
Georgia Pedro, jornalista
e blogueira
“Não me sinto representada em nenhum aspecto, infelizmente o preconceito impera na mídia e em pleno ano de 2013, ainda sentimos falta de ver negros e negras na TV. Claro que podemos citar Taís Araújo, Sheron Menezes que são lindas, mas perto de um Brasil que possui a maior população negra fora do continente africano, temos a sensação que não existem negros no país. Não vejo negros em comerciais, programas de TV, novelas… não vejo em lugar algum. Então o que resta é admirar os belos artistas americanos”, desabafa a blogueira negra, Georgia Pedro, do blog Modismos e Makes.

 Segundo o presidente do Data Popular, Renato Meirelles, especialista em mercados emergentes, a visão da elite, que aprova o anúncio publicitário, ainda segue o padrão de beleza europeu:

Renato Meirelles, presidente do
Instituto de Pesquisas Data Popular
“ Isso acontece porque as pessoas que criam e aprovam os anúncios pertencem às classes A e B. E essa elite é branca, tem olhos claros e ainda dialoga com esses padrões que sempre foram privilegiados no mercado consumidor. Entretanto, nada justifica a questão racial: os negros são mais da metade da população e movimentam R$ 720 bilhões em consumo por ano, e o seu aspiracional não é ser branco”, explica.

Essa visão elitizada dos publicitários, pode ser vista claramente na nova propaganda do Boticário como me alertou a blogueira, Juliana Ferreira, do blog O preto nada básico. A propaganda fala sobre a beleza da mulher brasileira, mas só mostra biotipos europeus, como loiras de olhos azuis. Alguém viu alguma negra? Enfim, estamos na Suécia, ora bolas, ou o IBGE deve ter se enganado…

Juliana Ferreira, advogada
e blogueira
“O Boticário possui diversas franquias espalhadas no Brasil e,  mesmo assim,  insiste em não reconhecer a diversidade nos tons de pele da brasileira. O negro só é visto de forma ‘cuspida’ na mídia, geralmente, na época do carnaval, onde as ‘mulatas’ são exaltadas como um produto. A única exceção são os negros famosos na música, artes ou esportes, os quais têm vaga garantida em comerciais, para que demonstrem que ‘não existe preconceito no Brasil'”, destacou Juliana. 
Sabrinah Giampá é jornalista e comanda o blog http://www.preciosasbobagens.com.br/

Comments

Comentários