Bolinho de estudante: crocante, macio e irresistível!

0
Bolinho de estudante: crocante, macio e irresistível!

Este delicioso doce é típico da cozinha baiana. Feito a partir da tapioca granulada, coco ralado, leite de coco, açúcar e canela, lembra bastante seu primo bolinho de chuva, mas é ainda mais saboroso por não utilizar farinha de trigo, afinal, nossa tapioca é muito mais nutritiva e saborosa!

Este bolinho é encontrado nos tabuleiros das baianas do acarajé e leva esse nome por ser barato, se popularizando entre os estudantes.
Bolinho de Estudante é patrimônio cultural da gastronomia brasileira oriundo do Nordeste, feito à base de tapioca flocada.

Raul Lody diz:”Na Bahia, todos o conhecem este doce tradicional feito a punho, o tão estimado e saboroso bolinho de estudante,um dos mais frequentes integrantes do cardápio exposto no tabuleiro da baiana de acarajé”.

O universo do doce, do salgado, do dendê, do coco, do milho, da massa de mandioca, revela-se nos cardápios do cotidiano, ritualmente repetidos a cada final de tarde, nos domingos, nas manhãs.

Os doces são, certamente, marcados pelas cocadas brancas e pretas, pelo doce de gamela de madeira, como o de tamarindo, pelos bolos de milho, e o tradicional bolinho de estudante.

O tabuleiro e a baiana se unem para formar um dos mais notáveis símbolos urbanos de matriz africana.

Destaque, dentro das receitas do tabuleiro da baiana, para uma comida de mandioca, o popular bolinho de estudante. Certamente, ganhando esse nome por ser bolinho frito no final da tarde, hora que os estudantes passam, ao sair dos colégios, pelas esquinas e adros, onde estão arrumados os tabuleiros com tudo que possa seduzir pelo cheiro.

Na cidade do São Salvador, em cada final de tarde, o dendê fervente inunda o ar, e a boca já começa a salivar…

O bolinho de estudante é um doce feito de massa de tapioca, coco, açúcar e canela, estando a maior habilidade para se fazer a receita no trabalho de manipular a massa, de dar com o punho o movimento que faz com que ele seja conhecido como um doce “feito a punho”. Com a massa faz-se bolinhos que são fritos no óleo de milho ou no azeite doce. O bolinho deve ser comido ainda quente, pois a massa é mais saborosa assim, e o açúcar se misturado à canela lhe dá uma casquinha que se derrete a cada mordida.

Ele é sobremesa nas casas para o lanche da tarde. É a sobremesa para a culminância dos pratos de azeite, diga-se de dendê, pois, não há nada melhor que almoçar um efó acompanhando de boa e fina farinha de mandioca do Recôncavo e, após, os bolinhos de estudante.

Assim, unem-se mandioca nativa – da Terra –, com o dendê africano – da Costa – com o açúcar e a canela que são do oriente – do Reino –, fazendo-se viver novamente essa boca de paladar multicultural, da mesa do brasileiro, dessa mesa baiana.

Raul Lody

Vamos de receita?
Nível de dificuldade: fácil
Tempo de preparo: 45 min

Ingredientes:
• 500ml de leite morno;
• 300g de tapioca flocada;
• 200g de coco seco natural;
• 1 xícara de açúcar;
• 2 colheres de chá de canela em pó + 1 xícara de açúcar refinado para empanar;
• Óleo para fritura. (Uso 1L)
.
Modo de Preparo:

  1. Coloque o coco e o leite morna no liquidificador e bata até obter pedaços bem pequenos. Misture bem com 300g de tapioca e o açúcar. Deixe descansar por 30 minutos, até a tapioca amolecer. Em seguida, enrole os bolinhos com a mão levemente untada com água.
    .
    Frite os bolinhos em bastante óleo quente até ficarem dourados. Coloque-os sobre papel toalha para retirar o excesso de óleo . Deixe esfriar por 3 minutos, depois passe no açúcar e na canela e sirva.
    .
    Dica: Sirva acompanhado de sorvete de coco ou coma no café da tarde.

Participe de nosso grupo no Telegram

Receba notícias quentinhas do site pelo nosso Telegram, clique no
botão abaixo para acessar as novidades.

Comments

No posts to display