Em novo artigo para o The New York Times, a pesquisadora Laura Bullard, destacou a forma como as Universidades Historicamente Negras, as H.B.C.U.s (Historically Black Colleges and Universities), ganharam destaque ao longo dos últimos anos, principalmente após a apresentação de Beyoncé no palco do Coachella 2018. “Em um dos maiores acenos de uma das maiores estrelas, Beyoncé incorporou a eletricidade de alto nível de uma H.B.C.U. com sua banda marcial e a iconografia da vida grega negra em sua performance histórica no Coachella em 2018, que veio a ser apelidada de Beychella”, enfatizou a publicação.

Beyoncé durante show no Coachella 2018. Foto: Coachella / Reprodução.

De acordo com Bullard, a forma como o show, que se tornou um documentário da Netflix, incorporou elementos precisos de dança, canto e imagens ajudou a difundir a presença das universidades historicamente negras dentro da cultura pop. “A coreografia de precisão, os cânticos de chamada e resposta, o espírito inabalável, a performance foi uma celebração visível e visceral das tradições profundas presentes numa H.B.C.U.”.

“Este parece um momento muito novo e diferente em torno da aceitação, visibilidade e representação da cultura pop dos H.B.C.U.s”, disse Mark Anthony Neal, professor de estudos africanos da Duke University. “A estatura cultural dos H.B.C.U.s aumentou em parte, também, por causa da dinâmica social do país após o assassinato de George Floyd e um verão histórico de protestos que forçaram um despertar da justiça racial e uma deliberação nacional sobre o que significa ser negro na América”.

Cena da série “A Different World”. Foto: NBC / Divulgação.

Indo além de Beyoncé, o artigo também elencou os esforços históricos de obras como a série “A Different World”, de 1987 e o filme “School Daze”, dirigido por Spike Lee, de 1988. Leia a publicação, clicando aqui.

Participe de nosso grupo no Telegram

Receba notícias quentinhas do site pelo nosso Telegram, clique no
botão abaixo para acessar as novidades.

Comments