Feriado na África do Sul, o Dia Nacional da Mulher celebra a marcha 9 de agosto de 1956, quando cerca de 20.000 mulheres marcharam até Pretória com uma petição contendo mais de 100.000 assinaturas contra as leis que exigiam que os sul-africanos fossem definidos como negros nos registros para portar um passe que servia para manter a segregação da população, controlar a urbanização e gerenciar a migração durante o regime de segregação, o apartheid.

Apoiadas por mães, filhas, irmãs e amigos, não apenas marcharam, mas permaneceram em silêncio por 30 minutos em uma demonstração de unidade não violenta e muito poderosa, do lado de fora dos Union Buildings, gabinete e residência oficial do presidente do país.

Dois anos antes da marcha, em 1954, lançou-se a Federação de Mulheres Sul-Africanas com o objetivo de unir as mulheres da nação para garantir plena igualdade de oportunidades para todas, independentemente de raça, cor ou credo, extinguir deficiências sociais, jurídicas e econômicas e lutar pela proteção das mulheres e crianças. Uma carta foi escrita na primeira conferência da Federação e apelou para a emancipação de homens e mulheres de todas as raças, igualdade de oportunidades no emprego, pagamento igual para trabalho igual, direitos iguais em relação a propriedade, casamento e filhos, remoção de todas as leis e costumes que negavam às mulheres tal igualdade, e exigia licença maternidade paga, creches para mães trabalhadoras e educação obrigatória e gratuita para todas as crianças sul-africanas.

Ray Simons, Amina Cachalia, Helen Joseph e Lillian Ngoyi foram as líderes do pacífico protesto, possuem estátuas na Praça Lilian Ngoyi, primeira mulher eleita para o comitê executivo do Congresso Nacional Africano e hoje tem seu nome intitulando um hospital em Soweto, hall residencial da universidade de Rhodes e ruas em diversas cidades da África do Sul.

Comments

Artigo anteriorJaguar: Ouça o álbum de estreia da cantora Victoria Monet
Próximo artigoMatheus Fernandes vítima de racismo em shopping pede ajuda para comprar uma moto nova
Sauanne Bispo cursou Estatística na Universidade Federal da Bahia, Turismo na Univ. Estácio de Sá e especializou-se em Empreendedorismo Social pela Universidade da Pensilvânia. Descobriu o mundo das viagens durante seu primeiro intercâmbio em Louisiana, nos Estados Unidos. Foi tripulante de navio cruzeiro, trainee na maior organização de fomento a desenvolvimento de países africanos da América do Norte, Africare, em Washington D.C., e coleciona experiências profissionais na Índia, Rússia e África do Sul. Especialista em educação e vivências internacionais, já passou por mais de 30 países e tornou-se desbravadora do mundo apaixonada pela África.