“A Morte Branca do Feiticeiro Negro” ganha como melhor filme do Festival Griot

0
762

No último sábado (19) o Griot – III Festival de Cinema Negro Contemporâneo anunciou os vencedores da Mostra Competitiva e encerrou o evento com o longa documentário “Chico Rei Entre Nós“, de Joyce Prado. Durante nove dias foram exibidos 48 filmes, debates, oficinas, laboratório de desenvolvimento de roteiros, masterclasses, tudo transmitido gratuitamente para todo o Brasil pela plataforma Todesplay. O grande vencedor da noite foi o filme do diretor Rodrigo Ribeiro, “A Morte Branca do Feiticeiro Negro“.

Assim como o sentido desse Festival, o melhor filme do Griot 2020 trabalha a perspectiva do negro, no caso, de um escravizado chamado Timóteo que escreveu uma carta de suicídio no tempo do Brasil Colônia. O relato desta obra revela a melancolia do personagem diante da existência da qual vivia e desejava libertar-se pedindo perdão ao seu Deus por tal sentimento e vontade de tirar a própria vida.

A distante lembrança da escravidão, e até em muitos aspectos romantizada, não leva em consideração os indivíduos que por ela passaram por tal situação. Não faz referência que estes indivíduos eram pessoas com histórias e desejos. Um retrato que também vai ao encontro com o filme escolhido pela curadoria para encerrar o Griot – III Festival de Cinema Negro Contemporâneo, chamado “Chico Rei Entre Nós”, de Joyce Prado.

No documentário de Prado temos acesso a história de Francisco, “Chico”, um Rei congolês que libertou a si e aos seus súditos durante o ciclo de ouro em Minas Gerais. O ícone desta figura está imersa em como a comunidade de Ouro Preto se expressa. O poder, a religião, os costumes e acessos ainda fazem parte dos conflitos sobre raça e classe.

A plataforma TODESPLAY foi quem tornou possível a exibição de toda a programação de 48 filmes, além da transmissão ao vivo de debates e masterclasses. Entendendo a importância do espaço, a plataforma deu o Prêmio TODESPLAY de incentivo para o filme “Ditadura Roxa”, de Matheus Moura, que corresponde a uma ambientação do intangível quando se é diferente, abordando com potência a questão dos privilégios sociais.

Comments