8 de Março, Dia Internacional da Mulher: Mas qual mulher?

0
8 de Março, Dia Internacional da Mulher: Mas qual mulher?
A ativista e intelectual Lélia Gonzalez. Foto: Reprodução.

Este não é um texto ou uma espécie de manifesto contra as comemorações pelo Dia Internacional da Mulher. Reconheço o valor histórico da data como um marco de luta contra desigualdade de gênero. Uma luta que ainda não acabou. O que eu desejo é colocar questões para pensarmos juntas e juntos: existe um modelo de mulher? Podemos idealizar um movimento político que abarque as mulheres negras, indígenas, quilombolas, trans, lésbicas, camponesas e faveladas? Antes de continuarmos essa reflexão, vou apresentar um breve histórico da criação do Dia Internacional da Mulher. 

O processo de consagração do dia 8 de março como o Dia Internacional da Mulher tem sua origem no movimento sindicalista e socialista nos Estados Unidos e na Europa, nos primeiros anos do século XX. As principais pautas reivindicatórias eram: melhores condições de trabalho, redução de horas trabalhadas, equidade salarial e sufrágio universal. No decorrer dos anos, o movimento político e de crítica social que conhecemos como feminismo passou a incluir outras pautas, como liberdade sexual e reprodutiva. 

Eva Alterman Blay, no ensaio 8 de Março: conquistas e controvérsias, apresenta uma suposta relação da data com dois incêndios em fábricas que ocasionaram a morte de centenas de mulheres em Nova Iorque em 1857 e 1911. Clara Zetkin, alemã e integrante do Partido Comunista, propôs um dia (sem definir qual) que marcasse internacionalmente os protestos e passeatas das trabalhadoras. Isso ocorreu em Copenhague, em 1910 no II Congresso Internacional de Mulheres Socialistas. 

Coloco mais uma reflexão: será que um movimento político e social que tem origem na Europa e nos Estados Unidos pode dar conta das lutas enfrentadas em outras partes do mundo? Por considerarem que de fato o feminismo europeu e norte-americano não daria conta disso, intelectuais como Lélia Gonzalez construíram, em rede, o feminismo afro-latino-americano. É incontestável que o feminismo teve um papel essencial para as lutas e conquistas das mulheres negras, pois, ao apresentar novas questões, incentivou a formação de grupos e estimulou a busca por uma nova maneira, ou maneiras, de ser mulher. O feminismo mudou o mundo. Ele deu um caráter político ao universo do privado, da casa e das relações entre homens e mulheres. 

Mas nós mulheres negras precisamos, com urgência, de um movimento para enfrentarmos as desigualdades raciais e de gênero de frente: o feminismo negro. Vou pedir ajuda de Lélia Gonzalez para, enfim, terminar este texto. No artigo Por um feminismo afro-latino-americano, Lélia nos convida a um exercício. Ao apresentar uma definição do feminismo, ela pede que troquemos a as palavras “homens e mulheres” por “brancos e negros”. O feminismo se baseia “na resistência das mulheres [dos negros] em aceitar papéis, situações sociais, econômicas, políticas, ideológicas e características psicológicas baseadas na existência de uma hierarquia entre homens e mulheres [brancos e negros], a partir da qual a mulher [o negro] é discriminada [o]”. Nós não tínhamos uma participação plena num movimento criado por mulheres brancas. Por isso, foi necessário criar um espaço onde o grito em combate à opressão da raça e de gênero ecoasse bem alto.  

Participe de nosso grupo no Telegram

Receba notícias quentinhas do site pelo nosso Telegram, clique no
botão abaixo para acessar as novidades.

Comments

No posts to display